EGITO - História

 

A história do Egito está intrincadamente ligada ao Nilo. O rio tem sido desde sempre a fonte da vida económica, social, política e religiosa. Há cerca de cinco mil anos , os estados independentes na outra margem do rio foram unificados sob ordens do Rei Menes, dando assim origem á primeira dinastia estável.

Os Faraós eram considerados divinos e reinavam uma sociedade altamente estruturada. A primeira pirâmide foi construída no sec. XXVII a.C. e nos anos que se seguiram , os monumentos tornaram-se cada vez mais grandiosos. O poder monárquico esteve no seu auge durante a Quarta Dinastia, altura em que Queópe e Miquerino construíram as Pirâmides de Gizé. O poder começou a ser descentralizado durante as Sexta e Sétima Dinastias dando origem a pequenos principados. Uma segunda capital foi estabelecida em Heracleópolis, o que levou o Egito à guerra civil.

Um reino independente foi criado em Tebas (actual Luxor) ,e com Metuhotep, de novo o Egito volta a estar sob o domínio de um único Faraó. De 1550 a 1150 a.C., o novo reino desabrocha nos reinados de Tutmósis I, o primeiro Faraó a ser sepultado no “Vale dos Reis”, da sua filha Hatschput, uma das poucas governantes femininas do Egipto e de Tutmósis III, o maior conquistador Egípcio, o qual expandiu o império até á Ásia Ocidental.

Amenófis IV, renunciando aos ensinamentos eclesiásticos, auto-proclama-se Akhenaton, nome em honra do deus solar Áton. e juntamente com a sua mulher, Nefertite, funda uma nova capital, Akhetaton, onde se adorava exclusivamente a Áton (é provavelmente o primeiro exemplo de monoteísmo).

Tutancámon, genro de Akhenaton, governa o Egito por nove anos e morre ainda adolescente. Após esta data, o Egito passa a ser governado por generais: Ramsés I, II e III e Seti I, os quais construíram grandes monumentos e templos, mas, o império entrou em queda, e quando Alexandre o Grande aí chegou e estabeleceu uma nova capital, estava em total alvoroço.

Com Ptolomeu I, Alexandria tornou- se numa cidade grandiosa. Os Gregos governaram o Egito por trezentos anos mas o reino foi contaminado por enormes rivalidades entre os nobres, sendo muita gente assassinada e exilada. Entretanto, o império romano, já muito expandido, começa a interessar-se pelo Egito. Estava então montado o cenário montado para umas das mais conhecidas e admiradas histórias do mundo antigo.

Entre 51 e 48 a.C. o Egito esteve sob o domínio de Ptolomeu XIII e de sua irmã, Cleópatra VIII, altura em que Júlio César manda Pompeu para os vigiar .Ptolomeu manda matar Pompeu e banir Cleópatra. O imperador de Roma vai até ao Egito e faz com que Ptolomeu seja atirado ao Nilo , manda nomear regente um outro irmão de Cleópatra e torna-se amante desta . Em 47 a.C., Cleópatra dá á luz o filho de César , e dois anos mais tarde ,manda assassinar o seu próprio irmão. Um ano mais tarde também Júlio César é assassinado.

Marco António, um dos membros do triunvirato que sucedeu á morte de César, vai para o Egito e ele e Cleópatra apaixonam-se. Dez anos mais tarde, um Senado Romano bastante descontente, envia Octávio para falar com Marco António. Ao cometerem suicídio em 30 a.C., ele e Cleópatra anteciparam uma intervenção de Roma, dando origem á unificação pelo Império Romano.

Com a invasão dos Núbios, dos norte- Africanos e dos Persas durante os sécs. III e IV, o Império Romano começa a desmoronar-se. Apesar disso, o Egito consegue manter uma relativa estabilidade até 640 d.C., altura da chegada dos Árabes. Trouxeram consigo o Islã e Fostat torna-se sede de um governo instável, o qual caiu aos Fatimidas. Fundaram a cidade de Al-Qahira (Cairo), a qual se tornou numa importante metrópole que floresceu juntamente com o Egito.

No séc.XI, os Cruzados começam a pilhar o já enfraquecido império e em 1187,os Seldjúcidas enviam um exército para o Egito, altura em que Saladino manda fortificar o Cairo e expulsar as Cruzadas Cristãs.

Unem-se a um grupo de mercenários turcos(os Mamelucos), mas são estes que acabam por governar o Egito por dois séculos e meio, até a chegada do exercito turco em 1517. Como a grande maioria destes mercenários eram de origem turca, os Sultões deixam a governação a cargo destes e limitam-se a fazer a cobrança de impostos.

É uma situação que se mantêm até á chegada de Napoleão em 1798, o qual é por sua vez expulso pelos Ingleses em 1801.É Mohamed Ali, um tenente do contingente Albano do exército Otomano que mais tarde invade o Egito e o seu neto, Said Pasha o mandatário da construção do Canal do Suez em 1869.

Uma elevada divida nacional permitiu aos Ingleses e Franceses estabelecerem-se no Egito e foram eles que tomaram o poder aos Turcos. Durante a Primeira Guerra Mundial o país combate ao lado dos Aliados após o que a Inglaterra lhe permite a criação de um partido político nacional. Foi nomeado como chefe da monarquia constitucional o Rei Fuad I, e nos trinta anos que se seguiram , monárquicos, Ingleses e membros do partido entram numa corrida ao poder.

Após a Segunda Guerra Mundial foi criada a Liga Árabe, composta por sete países Árabes , incluindo o Egito, mas a guerra havia deixado o país abalado e a sua derrota na Guerra da Independência com Israel em 1948, provocou um caos ascendente. Em 1952, um grupo de oficiais dissidentes, liderado pelo coronel Gamal Abdel Nasser , põe em marcha um plano infalível. Ingleses e Franceses foram pressionados ate perderem o controle, e então, Nasser atacou.

Os Estados Unidos e a União Soviética juntaram-se ás Nações Unidas nas tentativas de diálogo e insistiram na retirada dos invasores. Nasser tornou-se num herói, principalmente entre Árabes. Em finais dos anos 50, Nasser tenta a unificação do Egito com a Síria, e Yemen e mais tarde com o Iraque, apelando á união Árabe e desdenhando Israel.

Seguiram-se meses de crescente tensão entre Egito e Israel que culminou com o ataque do estado judaico em 5 de Junho de 1967,dando inicio á Guerra dos Seis Dias. Israel arrasou a Força Aérea Egípcia , tomou de assalto Sinai e fechou o Canal do Suez.

Anwar Sadat, vice-presidente de Nasser , tomou posse em 1970 após a morte do presidente. Empreendeu-se na tentativa de melhorar as relações do Egito com o Oeste mas em 6 de Outubro de 1973 lançou um ataque sobre as forças Israelitas em Sinai, e apesar de ter perdido a guerra , conseguiu através de acordos de cessar-fogo, assegurar o lado Este do Canal do Suez. Em 1977, Sadat inicia um processo de paz com Israel, o que conduz ao acordo de Camp David em 1979. Israel concorda em retirar de Sinai e o Egito reconhece oficialmente Israel como membro da Liga Árabe. Muitos sentiram-se traídos por Sadat, que acabou por ser assassinado em 1981.Foi Hosni Mubarak o escolhido como sucessor e tem sido até ao momento o presidente deste país. Tem surpreendido a muitos com o seu tacto para lidar com as regiões conturbadas.

Com o crescimento do fundamentalismo no mundo Árabe, a posição de Mubarak tem sido por vezes bastante precária, tendo a sua vida sofrido já vários atentados .Enviou para a Guerra do Golfo 35 mil militares e apesar desta ter sido encarada como uma guerra entre o Ocidente e o mundo Árabe, o empenhamento do Egito provou ser muito útil no melhoramento da situação.

Em 1992, os fundamentalistas islâmicos iniciaram uma campanha de violência e intimidação contra os turistas e forças de segurança. Os meados da década de 90 foram caracterizados pela tensão com o Sudão, por graves inundações em 1994 e por uma série de conflitos com fundamentalistas, culminando com a tentativa de assassinato do Presidente Mubarak em 1995.

 

HOME